28 de julho de 2017 em Dicas, Diversão, Roteiros, Turismo
338

5 lugares para visitar em Paris

Alisson Borges

Começo o artigo já explicando o porquê que a capital da França possui o apelido de “a cidade luz”. Já parou para pensar nisso? Se você acha que o termo surgiu graças a excelente distribuição elétrica da cidade, que abastece a noite parisiense com luz artificial, te adianto que não é o caso.

As luzes de Paris vão muito bem, obrigado, mas o motivo por traz da alcunha tão popular é devido à tendência que a cidade tem de acumular mentes iluminadas de todas as partes do mundo.

Desde muitos séculos atrás, artistas das mais diversas áreas (pintores, músicos, bailarinos, cineastas) acabavam, por algum motivo, se reunindo em Paris para formar colaborações e praticar a troca de experiências.

Qualquer viajante com o lado romântico mais aflorado já teria aí um ótimo motivo para fazer desse lugar o próximo destino de sua jornada. Mas acredito que dá pra melhorar esse argumento. Então trago agora mais 5 razões, em forma de pontos turísticos, para você visitar Paris.

Torre Eiffel

Fonte: Paris-City-Vision

Clichés existem por uma razão

 

Vamos falar logo do elefante branco no quarto. É impossível formar um roteiro de viagem para Paris e não citar o monumento pago mais frequentado do mundo, não é mesmo? A Torre Eiffel recebe aproximadamente 7 milhões de visitantes todo ano.

Um dos fatos mais curiosos a respeito da atração é que, inicialmente, a Torre Eiffel deveria ser apenas uma instalação provisória para a Exposição Universal de 1889. Gustave Eiffel, um dos nomes responsável pela construção, e grande homenageado, no final das contas, cuidou pessoalmente da execução da obra.

O preço dos ingressos varia dependendo de qual andar da torre (ela tem 3 níveis) você deseja visitar. Para quem se contenta em ficar no segundo andar pode pagar 11 euros. Os turistas que desejam conhecer o topo do lugar devem desembolsar 17 euros.

Museu do Louvre

 Fonte: Passando a Limpo

Modernidade e tradição se encontram nesse museu magnífico

 

Museus são paradas obrigatórias para todos os turistas, independente do país que visitam. E no Louvre estão guardadas algumas das obras de arte mais importantes da história da humanidade – grande parte do acervo acabou parando lá graças às pilhagens realizadas por Napoleão Bonaparte durante suas conquistas militares.

Você provavelmente já deve saber que é no museu do Louvre que está exposta “La Gioconda”, a obra máxima de Leonardo Da Vinci e que é popularmente conhecida como “O Retrato de Mona Lisa”. Pouca gente sabe porém, que posicionada do lado oposto está a obra mais famosa do museu e maior obra, propriamente dita, do Louvre.

De frente para a “Mona Lisa” fica o quadro de Pablo Veronese “As bodas de Caná”, medindo 6,6m por 9,9m e que reproduz a cena bíblica da transformação da água em vinho, feita por Jesus Cristo.

Aqui vai uma dica para não sofrer com filas quando for ao Louvre: o museu fica aberto até mais tarde às quartas e quintas, fechando às 21h45. Esse é o melhor horário para ver a “Mona Lisa” e outras obras. Vale lembrar também que, de outubro a março, a entrada ao museu é gratuita no primeiro domingo de cada mês.

Arco do Triunfo

Fonte: France.fr

Uma obra criada celebrar uma vitoria de guerra. Com o tempo passou a representar paz

 

No item acima falei das contribuições de Napoleão para o enriquecimento do acervo do museu do Louvre. Pois saiba você que esse não foi o único gesto do líder político para o enriquecimento da cultura francesa. Por causa dele foi construído o Arco do Triunfo, um marco importantíssimo para a história da França.

Bonaparte ordenou a construção do Arco, que levou 30 anos para ficar pronto. O monumento serviria para exaltar a grande vitória do imperador na Batalha de Austerliz, em dezembro de 1805.

Em 1921, o Arco do Triunfo passou por uma leve alteração. Para celebrar o Dia do Armistício, foi construído um túmulo na parte térrea do arco, isso serviria de memorial para os mortos durante a Primeira Guerra Mundial. A partir daí, todos os dias, sempre depois das 18h30, a “chama da memória” é acessa sobre o túmulo. O gesto é executado até hoje, graças a uma organização de veteranos da guerra.

Catedral de Notre-Dame

Fonte: Viagem e Turismo

Se não por fosse por causa de um livro, essa maravilha provavelmente não existiria mais

 

Notre-Dame. Você deve se lembrar desse nome por causa do fantástico filme de animação da Disney, protagonizado por um corcunda que vivia entre os sinos da icônica igreja. Ou talvez pelo romance de mesmo nome, escrito por Victor Hugo, que inspirou o longa-metragem.

A Catedral de Notre-Dame é facilmente um dos pontos de Paris que mais possui histórias curiosas a seu respeito. Ela sofreu sérias depredações durante a Revolução Francesa, teve sua restauração encabeçada pelo próprio Victor Hugo, foi o local de coroação do imperador Napoleão e também foi onde Joana D’Arc recebeu a beatificação.

Nela também ficam guardadas relíquias como a coroa de espinhos, que foi usada por Jesus em sua crucificação, e um pedaço da própria cruz. A catedral está aberta durante todos os dias do ano. Não se paga nada para entrar.

 

Praça da Concórdia

Fonte: Ideias na Mala

Já foi um lugar de execuções públicas, hoje as pessoas usam para tirar fotos depois de casamento

 

A história da Praça da Concórdia é curiosa porque ela já foi palco de situações muito distintas na história da cidade. Até mesmo seu nome já foi alterado algumas vezes ao longo dos tempos. Durante o reinado do Rei Luís XV, por exemplo, a praça tinha o nome do soberano francês e exibia uma majestosa estátua dele sobre um cavalo.

O perfil da praça mudou drasticamente após a Revolução Francesa, assim como muitos outros pontos de referência espalhados por Paris – Notre-Dame foi outro exemplo. Quando ela foi rebatizada de Praça da Revolução, acabou perdendo a bela estátua do rei. No lugar dela, ficou a guilhotina.

Localizada entre o Museu do Louvre e a badalada Champs-Élysées, a Praça da Concórdia apresenta hoje um nome mais amistoso e é a queridinha dos turistas entusiastas da fotografia, que adoram tirar fotos perto das fontes da praça.

Outro lugar muito bom de se fotografar é o Obelisco egípcio, que foi um presente do rei egípcio Méhémet Ali ao rei Luís Felipe I e foi colocado na praça em 1836.

Gostou da lista? Fique livre para sugerir outros lugares legais para visitar em Paris. Quem sabe eu não faço uma parte 2 dessa lista e adiciono a sua dica? Enquanto isso, boa viagem!

Que tal fazer o download do nosso Guia Definitivo para o Evento Perfeito para poder produzir os melhores e mais organizados eventos? É só acessar o link abaixo e fazer o seu cadastro.

Com informações de Viajar Entre Viagens, Momondo, Tripadvisor,  Roteiros e Mais, Nômades Digitais, Vamos Para Paris, Terra, Tudo Sobre Paris e Embarque na Viagem e Ideias na Mala.

 

Posts relacionados

2017 © HPO Adminstradora de Clubes e Hoteis LTDA – 33.324.195/0002-65

Desenvolvido por